About Us

The Leading Cape Verdean News Site | O Líder da Informação na Diáspora
Advertise With Us

Tuesday, 21 October 2014
CAPE VERDE

Follow us on

Google Picasa

Upcoming Events
Sat Sep 20
Citizenship Day in Boston: Free Workshop
Sat Sep 20 @12:00PM - 06:30PM
School Supply Drive & Cookout (by Asosiason di Fidjus i Amigus di Santa Cruz)
Sat Oct 11 @ 7:00PM -
CV Association in New Bedford: Anniversary Gala
Banner
Joomla Templates and Joomla Extensions by ZooTemplate.Com
Classifieds

 
     
Cape Verde
Countries and NGOs That Are Assisting Cape Verde in The Fight Against Dengue Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

 
Read more...
Representatives from France offering Insecticides to CV Ministry of Health (Photo: Expresso das Ilhas)
 
FORCV received a note from the Ministry of Foreign Affairs, Cooperation and Communities of Cape Verde (MFACCCV) that includes a list of the countries and foreign Non-Governmental Organizations (NGOs) that have come out in support of Cape Verde since the dengue epidemic hit the country. The list is “an update of the support and actions already in place and the ones [Cape Verde] foresees in the next couple of days.” We decided to publish it to give our audience a general picture of the progress status in the fight against dengue.

Support already in place:

The Government of Brazil has offered the services of a specialist doctor who is currently working with the Cape Verdean authorities, in order to assess the real needs, susceptible of being provided by the said government.

The French authorities have already on the ground a team of 8 people, including doctors and nurses, which brought the necessary clinical equipments and are placed at the Health Center of Achada de Santo Antonio, in Praia, assisting in consultations, diagnoses and treatment of the disease.

Portugal is another partner that reacted promptly to our appeal, whereas this government has put a doctor specialist in tropical diseases available to Cape Verde, who is working right now at the Agostinho Neto Hospital (HAN), in Praia. Moreover, a Portuguese team of four doctors and four nurses arrived in Cape Verde to strengthen the ER and Intensive Care Unit services at the HAN. 

Support to come in the next few days:

From Portugal a team from AMI (Assistencia Medica Internacional / International  Medical Assistance) with two doctors and four nurses to strengthen the teams at the Sao Filipe Hospital, in the island of Fogo.

From the Netherlands, a boat carrying insecticide, sprayers and protective uniforms to help in the extermination of the mosquito larvae.

From Cuba two additional specialists in the fight of malaria and dengue fever, with the objective of finding and exterminating the dengue carrier mosquito larvae, will be stationed in Praia as long as necessary working in partnership with the Health Ministry.

From Spain, through this country’s Red Cross, we are expecting medicines, clinical equipment, and financial support to the Government for the informative campaigns on dengue fever.

Through the WHO (World Health Organization), there are already four specialist doctors from Switzerland – team from Doctors Without Borders and two pediatric specialists coming from Thailand.

The EU has made funds available through the European Fund For Development and also via other instruments such as the EU Humanitarian Help Committee, to be utilized by the WHO in the support to Cape Verde.

Also, the regional governments of Madeira and Canary Islands have manifested their support to Cape Verde.

The Ministry of Foreign Affairs Cooperation and Communities will remain available to provide more information on this topic and release more updates relative to the support coming from outside as new information is available." (MFACCCV, November 09, 2009)
 
É de Todos o Combate à Dengue Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011



Read more...

 

 COLUNISTA -


Daniel dos Santos, colunista e correspondente da FORCV em Lisboa, é mestre e doutorando em Ciência Política e Relações Internacionais. É jornalista, professor universitário de profissão e investigador em Ciência Política, Comunicação e Marketing Político. 

Atenção: As opiniões expressas pelos colunistas não representam a posição da FORCV. Elas apenas traduzem o ponto de vista dos mesmos. Na realidade, a FORCV está aberta a publicar artigos de opiniões de diferentes colunistas com o intuíto de apresentar diversos pontos de vistas aos nossos leitores. Por isso, convidamos pessoas interessadas a enviar artigos de opiniões para  This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it . Obrigado(a).

 

A eclosão da dengue, em Cabo Verde, apanhou-nos de surpresa. Não a esperávamos, assim, tão velozmente, embora o nosso país, por se situar numa região quente, seja propício a este tipo de enfermidade, que tem dado muitas dores de cabeça ao Brasil e a outros Estados da América do Sul. Na imigração, mormente, em Portugal, o espanto continua a ser generalizado, a par da tristeza e do medo que tomaram conta dos cabo-verdianos com os quais falámos deste assunto, de si preocupante.

Fazem-se muitas perguntas, à mistura com algum humor, próprio do homem crioulo. Mas algumas impuseram-se aos olhos de todos. Porquê dengue agora? Quando eclodiu o primeiro caso? De onde veio? Como chegou às nossas queridas ilhas? Temos, sozinhos ou com o apoio de terceiros, a capacidade humana e material para a combater, eficazmente? Era-nos, de todo em todo, possível evitar as mortes que resultaram da dengue? Em todo o caso, estas e outras interrogações, para as quais não temos respostas, não chegam, nem de longe nem de perto, para consolar os que mais têm sofrido com esta epidemia.

O ano passado, o surgimento da dengue, entre nós, foi notícia. A imprensa internacional não lhe deu muita atenção. [De acordo com a África 21 e outros media, a 21 de Agosto de 2008], as nossas autoridades sanitárias detectaram o mosquito que costuma provocar a dengue e garantiram, à guisa de sossego, que era 'bastante remota a possibilidade da sua irrupção, em Cabo Verde'. (...) A culpa não poderá, por certo, morrer solteira. As autoridades políticas e sanitárias já a desmentiram. 

Nada mais fácil. Cremos que é útil e necessário que o caso seja esclarecido. Até lá, torna-se cada vez mais difícil de acreditar na conversa do nosso governo. O primeiro-ministro mantém-se muito cauteloso e pouca coisa tem dito. Estamos convencidos de que terá de falar mais vezes, porque, sendo chefe do Governo, tarde ou cedo, irá assumir, politicamente, a gestão do dossier dengue, até, então, entregue ao ministro da Saúde.

Cabe-lhe, acima de tudo, acalmar os cabo-verdianos, confortando-os nesta hora complicada, transmitindo-lhes a segurança de que precisam na luta contra a epidemia. Muito ganhará o país, em termos de credibilidade internacional, se o primeiro-ministro der mostras de estadista, sem a tentação de tirar partido da desgraça alheia. A nosso ver, é elementar que trabalhe, afanosamente, na criação de condições que permitam dar um combate, sem tréguas, à dengue.

Seria um grosseiro erro se alguém politizasse a dengue. Nem o PAICV, nem o governo deste, nem o MpD devem fazê-lo, sob pena de recolherem mais prejuízos do que benefícios. A questão, pela sua gravidade e repercussão social, requer uma cuidada leitura, não querendo isso dizer que se não possam exigir responsabilidades a quem, por incompetência ou omissão, tenha exercido com falhas a sua função. O inverso pode dar lugar a leviandades políticas, o que, com efeito, não ajuda em nada a compreender o problema.

A postura do MpD, enquanto principal partido da oposição, tem sido de enorme prudência. Fica-lhe bem a iniciativa de solicitar a presença de Basílio Ramos a uma comissão parlamentar para explicar, de fio a pavio, a história da dengue, em Cabo Verde. A ocasião não será, certamente, adequada para ajustes de contas políticas ou para procurar culpados. Nem tão pouco deve servir de pretexto para qualquer outra coisa que não seja a de transmissão de informações reais aos representantes do povo na Assembleia Nacional.

O MpD já se engajou nesta luta. Carlos Veiga já deu o mote. Enquanto governo, lidou com a cólera nos anos 90 e algo deve ter na manga que ajude o país a minorar os efeitos desta calamidade pública. Politicamente, muito barulho então se fizera sem resultados palpáveis. Hoje, cremos que estamos em condições de evitar que as coisas cheguem a semelhante ponto, porque o tempo se encarregou de amadurecer as elites que dominam a política, entre nós.

Agora, impõe-se que o povo se mobilize para estancar o surto. A avaliar pelos sites cabo-verdianos, o resultado das campanhas de limpeza foi positivo. Não se pode parar com estas actividades, pelo que se mostra necessário que se continue, cada vez mais, com muita força e empenho, a apostar nesta e noutras campanhas para o fim que todos desejamos: suster, na primeira fase, a dengue, para, em seguida, controlá-la e, finalmente, extingui-la, claro, se nos for possível. Pelo menos, que não mate nem mais um cabo-verdiano.

Em boa hora, o governo chamou em socorro a ajuda internacional. A resposta, embora tímida, começou a dar frutos. França e Portugal estão connosco nesta luta a que nenhum cabo-verdiano, onde quer que se ache, deve ficar indiferente. É importante que, também, na imigração o Governo consiga mobilizar os quadros em prol da campanha contra a dengue. Em terras portuguesas, existem muito mais de cem médicos cabo-verdianos, sem contar com os que vivem pelo mundo fora cujo número desconhecemos.

Conhecedores da língua e da cultura cabo-verdianas, esses cérebros, caso sejam chamados, constituem uma verdadeira mais-valia. O país precisa deles, porque continuamos a pensar que o combate à dengue é de todos nós. Além do mais, trata-se de uma responsabilidade colectiva, que se impôs como uma necessidade, se, de facto, se pretende dar a volta ao texto, sem quaisquer laivos de demagogia e de irresponsabilidade políticas.

O momento é o de união, apesar das diferenças político-ideológicas que possam existir. O que interessa agora é ajudar a salvar vidas, é evitar que os cabo-verdianos morram de dengue, é não permitir que as famílias cabo-verdianas sofram, é, em suma, fazer tudo, tudo mesmo, para devolver o sossego ao país. Nada nos pode desunir, em questões nacionais. Foi assim que os grandes países se fizeram. O Japão é um exemplo digno de registo.

www.neydipedro.spaces.live.com

 
Ajudas Internacionais Concretizadas e Por Concretizar na Luta Contra Degue Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

 
Read more...
Doentes infectacdos com febre da Dengue no Hospital da Praia (Foto: Expresso das Ilhas)

PRAIA - A FORCV recebeu uma nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades de Cabo Verde que apresenta o mapa de ajudas recebidas e a receber no âmbito do apelo lançado pelo Governo na luta contra a dengue. O mapa foi actualizado no dia 11 de Novembro às 6 horas da tarde. A FORCV decidiu publicá-lo para dar aos seus leitores uma visão detalhada de como a comunidade internacional tem apiado Cabo Verde neste momento de crise. Segue-se o mapa embaixo.

Ajudas Concretizadas Ajudas Por Concretizar
BRASIL
Encontra-se no país um médico especialista proveniente do Estado do Ceará para, em concertação com o MS, fazer o levantamento das reais necessidades de Cabo Verde em matéria de apoio.

 

BRASIL
Por intermédio da OMS,  o Governo brasileiro disponibilizou 15 mil USD para permitir o envio de uma equipa de cinco médicos brasileiros para apoiar as atividades de manejo de pacientes e na organização da rede de atendimento. Alguns equipamento serão também enviados. mA data de chegada deles dependerá  dos trâmites administrativos da OMS mas prevê-se que seja no voo dos TACV do próximo Domingo dia 14/11.
Outro ponto passível de colaboração será na área de controle de vetores e epidemiologia. Pretendem enviar uma equipa de dois profissionais destas áreas em curto espaço de tempo.

 

FRANÇA
Um avião chegou no Domingo proveniente de Dakar, com equipamentos e com uma equipa de 11 pessoas (médicos, enfermeiros e Técnicos de laboratório). Instalaram igualmente um Hospital de campanha no Centro de Saúde de Achada de Santo António onde têm dado consultas e prestado assistência aos doentes. Partem amanhã  dia 12/11.
Fornecimento equipamento para luta anti vectorial.

CUBA
Dois especialistas na luta contra o paludismo e Dengue que se encontram actualmente no Gana.
Trata-se do Sr. Feliz Quintana Pulido, representante de Labiofam para a Africa Ocidental e do Sr. Alfredo Vera Estrada, representante de Labionfam. Chegam no dia 12/11 e trazem como eles 20 litros de BACTIVEC para eliminar as larvas do mosquito transmissor da dengue

HOLANDA
Fornecimento de equipamentos (insecticidas, pulverizadores, fardas protectoras) –Barco chegou hoje  dia 11/11 com equipamentos

ESPANHA
Confirma a mobilização em curso da Cruz Vermelha espanhola que através da parceria com a Cruz Vermelha de CV;
Disponibilidade para trabalhar com as autoridades cabo-verdianas na base de um plano a médio prazo (6 meses)
Previsto a vinda de equipa médica e de medicamentos

PORTUGAL
Um médico especialista em infectologia chegou no país desde o dia 05/11 e encontra-se a trabalhar com o pessoal médico de Cabo Verde no HAN;
Chegou no Domingo dia 08/11 uma equipa de 8 pessoas (4 médicos e 4 enfermeiros) com equipamento necessário para apoiar os serviços de diagnóstico e de cuidados intensivos no Hospital Agostinho Neto.

Uma equipa da Assistência Médica Internacional (AMI) chega esta noite composta por 6 pessoas (2 médicos e 4 enfermeiros). Trarão medicamentos e equipamentos clínicos necessários.

 

PNUD
- Disponibilização de um montante de US$ 40,000 para permitir ao país fazer face às urgencias ligadas à campanha anti- vectorial, que pretendem seja utilizado para apoiar os esforços do Serviço Nacional de Protecção Civil e da Câmara Municipal da Praia nesta campanha. Este montante poderá ser transferido de imediato.

As Nações Unidas dispõem ainda de outras fontes de financiamento que poderão ser disponibilizados num prazo relativamente curto, incluindo os custos de viagem dos médicos cubanos (se ainda continuar necessário), aquisição de equipamentos, campanhas de mobilização social, entre outros.

Igualmente, o PNUD dispõe de um fundo especial para a coordenação nacional da resposta à epidemia, avaliação permanente da situação e formulação de um plano que permita tomar medidas a curto e médio prazo para a contenção da epidemia. Podem accionar os mecanismos para solicitação desses fundos caso esta necessidade se verifique.
 

UNIÃO EUROPEIA
Disponibilizado atraves da OMS - Fundos ECCHO para equipamentos e recursos humanos
UNICEF
- Disponibilização de 2000 mosquiteiros, cuja chegada será comunicada brevemente. Caso necessário, estarão em condiçoes de apoiar na aquisição e fornecimento de mais mosquiteiros.
- Disponibilização de dois especialistas: Sr. François Bellet, Especialista em Saneamento e Ponto Focal para Situações de Urgências, e Sr. Günter Heidrich, Especialista em Comunicação para o Desenvolvimento e Mobilização Social. Este último chegará ao país nos proximos dias.

 OMS
Reforço capacidade nacional diagnóstico – resposta imediata:
- envio equipa 2 especialistas em Virologia
- 4 tecnicos de Laboratorio
- montagem Laboratorio Moveis
- 2 epidemeologistas

OCHA (Escritório das Nações Unidas para Coordenação dos Assuntos Humanitários):
- Disponibilização de uma especialista para apoiar nas respostas ao país e apoiar o mecanismo de coordenação nacional, caso seja requerido. A Senhora Manuela Gonzalez chegará na próxima Sexta-Feira.

MSF (em coordenação com OMS)
- Envio equipa médica, constituida por 2 medicos e 2 enfermeiros (colocados no Fogo)
- envio de equipamento  - via aerea – esta tarde

 
  DGMNECC – 11/11/09 - 11:56
 
Updated: Prime Minister of Cape Verde Confirmed to Have Dengue Fever Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

 

Read more...
PM Neves cleaning the yard of the Government Palace during a national campaign against dengue

(Updated 11/12/09): In a press conference today, Janira Hopffer Almada, the spokesperson for the Cape Verde government, confirmed that Prime Minister José Maria Neves indeed contracted the classic dengue fever. According to Ms. Almada, the Prime Minister is recovering well and should return to official duties next week.

(11/10 /09) - Yesterday FORCV received a call from a credible source in Cape Verde to inform him that Prime Minister (PM) José Maria Neves is believed to be infected with Dengue virus. We contacted the Prime Minister's office in Cape Verde and the Consulate of Cape Verde in Boston but we did not receive neither confirmation nor denial. The editorial team decided not to go ahead with the story at that time. However, today we received a notice from the Office of Communication and Image of the Government of Cape Verde stating that Mr. Neves is officially 'resting' for medical reasons.

Although the note does not confirm nor deny if the medical reason refers to Dengue fever, according to our source it is widely believed in Praia city that Mr. Neves is one of the latest victim of the killer Aedes Aegypti mosquitoes that is terrorizing the public in Cape Verde with the deadly disease. According to the lasted information from the Ministry of Health, 6 people have died from Dengue Fever and 12,001 have been infected. 

The note further states that PM Neves has been in bed since Sunday for health reasons. On Friday, he was seen with a shovel in his hands cleaning the yard of Government Palace in Varzea during the mega-campaign to eradicate possible outbreaks of Dengue mosquito vector from Cape Verde.

The state owned TV station, RTC, reported that some basements of the unfinished buildings located near the Government Palace in Varzea have been major breeding grounds of the Aedes Aegypti mosquitoes.

"Prime Minister Neves has had adequate medical care and his condition has been evolving positively," the note informs.

 
Inxina Mininu Na Kriolu Ki E Se Lingua! Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011



Read more...

 

COLUNISTA -

 

Atenção: As opiniões expressas pelos colunistas não representam a posição da FORCV. Elas apenas traduzem o ponto de vista dos mesmos. Na realidade, a FORCV está aberta a publicar artigos de opiniões de diferentes colunistas com o intuíto de apresentar diversos pontos de vistas aos nossos leitores. Por isso, convidamos pessoas interessadas a enviar artigos de opiniões para  This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it . Obrigado(a).  

 

“If you talk to a man in a language he understands, that goes to his head. If you talk to him in his own language - that goes to his heart.” Nelson Mandela, Ex-Prizidenti di Áfrika du Sul. 

Inspiradu pa es konbérsu sábiu y sabi di Nelson Mandela, N ta fla y N ta dimonstra euristikamenti ma: Si nu kre txiga na korason di kriansas kabuverdianu, nu ten ki inxina-s na Kriolu ki e ses própi lingua

Di faktu, nu ten nos lingua, nos kultura, nos tradison, nos vivénsia y nos stória ki e di-nos própi, diferenti di purtuges y di otus povu. Kriolu e nos dizafrónta na kumunikason.  El e nos dinominador kumun y e fator di unidadi na nos diferénsa. Má si lingua stranjeru e lingua ki un algen ta prende komu se sigundu, terseru, kuartu lingua, etc, y si Kriolu e stranjeru pa purtuges pamode e un lingua stranhu pa es, anton Purtuges tanbe e, éra, ó foi stranjeru y stranhu pa alguns kabuverdianus. Ó será ki istorikamenti/pulitikamenti Purtuges e ka stanhu nen stranjeru pa ninhun kabuverdianu? Ó antón será ki Purtuges e un meiu-térmu entri lingua stranjeru y ka stranjeru pa nos? Those are the questions!  

Palavra “stranjeru” na Kriolu, “estrangeiro” na Purtuges, “stranger” na Ingles, “étranger” na Franses, ben di palavra “extraneus” na Latin,  ki signifika “di fóra”, “ka di térra”, entri otus. Anton si Purtuges ben di Metrópuli, ki ta fika na stranjeru, fóra di Kabuverdi, lonji di nos gentis, dja disionáriu di Latin ta da-nu razon óras ki nu ta afirma ma pa nos kabuverdianus, Purtuges e un lingua stranjeru, pamódi e ka di térra. Purtuges e ka nos lingua nativu. Purtuges lebadu pa Kabuverdi di Purtugal y gentis foi obrigadu y forsadu a prende Purtuges na skóla, undi ki Kriolu éra pruibidu. Kriolu gó e fidju matxu lejítimu ki jera na barriga di Nos Identidadi, ki e mai orgulhóza di lingua kabuverdianu. E duedu gó pamódi Purtuges ki e «fidju fóra» e rejistadu y fidju matxu Kriolu inda ka e rejistadu. Pamódi, nha genti? Pamódi tantu injustisa? Pamódi?  

Ku nos independênsia, asumidu y proklamadu só Purtuges komu nos lingua ofisial, na primeru verson di nos konstituison. Infilismenti oportunidadi ki nu tinha na kel altura, pa konsagraba valorizason y dignifikason konstitusional di nos lingua matérnu, foi sinplismenti disperdisadu. Só más tardi kantu fazedu revizon konstituisional ki artigu 9u ben kontenpla lingua kabuverdianu. Dja nu sta lonji ta bai, má inda sa ta falta-nu pa nu ofisializa y sistematiza skrita di Kriolu, nos prumeru lingua, ku bazi na alfabétu ofisial, AK (ex-ALUPEC). Padronizason y ofisializason di Kriolu e ki ta ben reforsa ensinu y aprendizájen di Purtuges komu nos sugundu lingua, ki nu ta prende só óras ki nu ta bai skóla. Ningen ka tene dúvida ma Purtuges e un patrimóniu pa nos kabuverdianus. Má ingrasadu y kuriozu e ki Purtuges e difísil pa kabuverdianus prende na skóla. Txeu kabuverdianus na liséu ta panha bons nótas na matimátika, na siênsia, na stória, etc, má ta panha mau nóta na Purtuges. E kuazi un tabu na Kabuverdi ma Purtuges e disiplina ki kabuverdianus ta panha nóta más baxu na el. Pamódi? Talves iliméntu di respósta sta na fórma ki Purtuges foi y kontinua ta ser inxinadu na Kabuverdi. Anton, ta parse-nu ma e inperativu ki mudadu alguns kuzas na sistema idukativu kabuverdianu.  

Na Kabuverdi, metodolojia pa inxina linguas, sobretudu Purtuges, debe ser diferenti di kel ki ta uzadu na Purtugal, pamódi própi piskiza na ária di ensinu y aprendizájen di linguas ta rekomenda ma métudu di ensinu di lingua stranjeru debe ser diferenti di métudu di ensinu di lingua nativu. Y es mesmu rasiusíniu ta aplika a ensinu di otus disiplinas móda matimátika, fízika, etc. Ideal seria nxina mininus kabuverdianus Purtuges komu lingua stranjeru, y uza Kriolu-Purtuges, sima na «two-way bilingual program» na Mérka, pa nxina-s konseitus konpleksus y abstratu na matimátika y otus disiplinas. Es e midjór fórma pa konxe studantis, personifika aprendizájen y da kobertura a pusiveis nesesidadis individual di kada studanti. Só asin ta ivitadu ki mininus kontinua ta reprova na skóla dividu a uzu inadekuadu só di Purtuges en ves di Kriolu-Purtuges na prusésu di ensinu y aprendizájen. Y kel-li pode ser un eleméntu ki parsialmenti ta splika insusésu di alguns alunus lógu na kes primerus anus di skolaridadi. Modi ki Kriolu ta konsigi aseitason nun anbienti di kel-la? Kuzé ki debe fazedu pa muda kel situason la?  

Si nu inxina  kriansas kabuverdianu só na purtuges, un lingua stranjeru ki es ka ta ntende dretu, nos mensájen idukativu pode fika na kaminhu. Má si nu inxina-s na Kriolu ki e ses própi lingua, dja nu ta txiga na ses kurason. Prugrama bilingi Ingles-Kabuverdianu na Mérka, partikularmenti na stadu di Massachusetts, undi ki prugrama bilingi di liseu di Brockton «Brockton High School» foi risentimenti rikonhesidu komu midjór, e un kazu di susésu y un referênsia di uzu parsial di Kriolu komu lingua di ensinu en paridadi ku Ingles. Ku txeu orgulhu, nu ta afirma ma es prugrama e un ixperiensia di longa data, ki pode perfeitamenti ser adaptadu a realidadi bilingi di Kabuverdi. Inda ka txiga maré di nu rekonhesi nesesidadi di nos studantis papia, obi, skrebe, lé, y rasusina na ses lingua nativu y resebe idukason ki ta ruspeta ses valoris linguistikus y kultural? Será ki kenha ki sa ta dadu kónta ki obstaklus ki sa ta kolokadu na prusésu di aprendizájen di nos kriansas, si en ves di nu kria y oferese-s oportunidadi di prendi na lingua ki es ta dumina, ki e Kriolu, nu  ta kuntinua ta forsa-s pa es prende konseitus akadémikus só na Purtuges, ki pa es e un lingua stranjeru?  

Kriolu é prumeru lingua ki un kabuverdianu ta prendi papia. Nu ka ta prende-l, móda Purtuges, na un anbienti akadémiku. Nu ta prende-l sin, naturalmenti y na diskóntra, sen ninhun isforsu intelektual ó kognitivu, na interason susial. El ta marka personalidadi y identidadi di un kabuverdianu. Nos lingua matérnu sta-nu na nos miolu, el sta-nu na nos juis. Pur isu, Kriolu é lingua ki debi ser uzadu na skóla pa inxina mininus kabuverdianus, sobritudu na kes prumérus anus di skolaridadi, pamodi mininu dja sabi papia y el ta ntende Kriolu. Pa maioria di mininus kabuverdianu, Kriolu é úniku lingua ki es ta papia. Si erradamenti es uza só purtugês, só pamodi el ten statutu di nos lingua ofisial, má, dexa-m torna ripiti, ki pa maioria di mininus é un lingua stranjeru pamodi nunka es ka tinha un kontaktu linguistiku ku el antis, dja taréfa é mutu más difísil, pamodi es ten ki inxina kes mininus purtugês y otu disiplina, matimátika, pur izénplu, au mesmu ténpu. Talves ka sa ta dadu kónta di frustrason ki kel-la ta koloka na kabésa di kes mininus ki ta fika kondenadu a suisídiu akadémiku y ta ser vítima di ses insusésu na skóla. Ses odju y ses róstu ta mostra klaru difikuldadis ki es ta ten na ntende kuzas ki prufesor ta kre nxina-s só na Purtuges, má ki es ka ta pode prende pur kauza di barrera linguistiku.  

Prubléma pode ka ser konseitus, faktus, ó kunhesiméntus, má sin lingua Purtuges ki es ka ta ntende nen papia dretu pamodi Purtuges e lingua stranjeru pa es. Nhos imajina, un mininu ki sta na primera ó sugunda klasi, ki ta mandadu pa skrebe un redason sobri «a ovelha» na Purtuges. Kel mininu é kapas di nen ka ntende kuzé ki «ovelha» signifika, y e pode ka faze nada. Prufesor debe faze ponti ku Kriolu y splika-l y fla-l ma «ovelha» é karneru, pa el pode ivita di perde un monti ténpu ta tenta splika-l na Purtuges, sen un téknika apropriadu, efisienti y efikas, y mininu pode dura ku ntendi, ó ka ntende própi. Y na kumunikason oral, ta izijidu mininu pa papia y splika só na purtugês, matérias ki pode ser linguistikamenti konpleksu y izijenti. Má pamodi ki ta kunplikadu prusésu di aprendizájen di konseitus na Purtuges es ves di el sinplifikadu na Kriolu ki mininu ta domina y permiti-l di uza se speriênsia y konpiténsia linguistiku?  

Nu lenbra ma ofisializason di nos lingua nativu e garantia di se sobrivivênsia ki e indikador y garantia di viabilidadi y sustentabilidadi di nos kultura. Pur isu, nu debi skrebe y fala di nos identidadi Térra-Térra, Kutélu-Kutélu. Nos tudu nos e Kriolu. Nos e tudu irmon. Nu dexa nos imuson, konvikson pulitiku y relijiozu, partidu, ideolojia, bairrismu, etc, na un planu sekundáriu pamodi ser kabuverdianu é ka ninhun di kes kuzas la, má e un inekivuku y inkondisional konvikson di pertensa sósiu-kultural. Kal lingua ó kultura na mundu ki e midjor ki di nos? Dja nu konkista nos autonomia pulitiku, ago falta-nu e konkista tanbe nos autonomia linguistiku y kultural, pa nu skrebe nos lingua di fórma ordenadu y uniformi en ves di es forma inbrudjadamenti idiosinkrátiku,  irrasional,  teknikamenti insustentadu, kaótiku, sen lójika, sen kabésa, sen tonku y sen menbru, má ku lejitimidadi y aseitason.  

Si na oralidade Kriolu ta dumina na Kabuverdi, dja na skrita ten un inverson di situason pamodi Purtuges ki ta dumina. Ki ason debe tomadu pa ikilibriu entri oralidadi y skrita? Bilingismu na Nos Kabuverdi di Speransa? Nos speransa e pa Kabuverdi kaminha pa un bilingismu na orizontalidadi y nunka na verikal. Nos speransa e tanbe pa prósimu revizon konstituisional abri porton di nos ilhas pa dignifikason di nos lingua y kultura, pa kaba di bes ku es anbivalênsia en relason a Kriolu y Purtuges. I have a dream; j’ai un rêve; tenho um sonho; nha sonhu e un dia obi Kriolu senpri, y kada bes más txeu, na televizon; obi Kriolu senpri, y kada bes más txeu, na rádiu, lé Kriolu senpri, y kada bes más txeu, na jornal, etc, sen ten ki senpri abandona nha lingua di bérsu pa N obi, lé ó papia senpri ku lingua npristadu na purtuges. Ti ki un stranjeru ben Kabuverdi, nu kre pa el obi ta papiadu kabuverdianu manenti na rádiu, na televizon, pa el odja Kriolu skrebedu manenti na jornal, etc. Má ti inda Kriolu sa ta ser injustisadu pa nos mídia. Nu ta da kónta, y nu ta fika tristi, óras ki nu odja ma televizon, rádiu, jornal, tantu iletróniku komu inprésu, entri otus meius di kumunikason susial, é duminadu pa purtugês. 

En jeitu di konkluzon, N ta dexa klaru ma kiston sentral e ka statutu di Purtuges pa nos: stranjeru ó ka stranjeru, ó alguris entri stranjeru y ka stranjeru, Purtuges e nos lingual ofisial; el e un patrimóniu istóriku pa nos, y el e midjór eransa ki nu erda di kolonialismu, sima ki Amilcar Cabral afirma. Ka nu perde ténpu ku adjetivus y predikadus na Kriolu. Kel-li e asuntu ki sta ben tratadu na Introduson a gramátika di Dr. Manuel Veiga. Uniformizason di skrita di Lingua Kabuverdianu, ó Kriolu «tout court», na bazi di AK (ex-ALUPEC), se ofisializason, se utilizason komu lingua di instruson na skóla, en konplementaridadi ku Purtuges, e prósimu vitória y konkista di kabuverdianus, pamodi Kriolu e kel lingua ki e própi di-nos, ki nu ka toma npristadu na ningen, ki nu ka ganha na lotaria y nen nu ka ganha-l na gérra.  

www.alupeckatentadju.blogspot.com 
 
Solidarity Campaign: Help our Brothers and Sisters in Cape Verde Fight Dengue Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011


Read more...

 

COLUMNIST & REPORTER -

     

 

Amid a rising crisis in the islands of Cape Verde, now more than ever, is the time to lend support to our men, women and children.  

For the first time in recorded history the Dengue virus has hit the Archipelago. This virus is especially dangerous in Cape Verde due to the fact that the country is compromised of 10 islands. The geographical make up of Cape Verde makes its population a concentrated hub of potential victims for the virus; this is why the capital has been so hard hit. The latest national news has released the number of infected to almost 9,000 with 6 dead. Unfortunately, the prognosis for those people who get the virus and are untreated that then go into shock, 50% do not survive. Thankfully the prime minister has asked for support from other countries, some help has arrived with more still on the way.

It is important to remember that there is no cure for Dengue, so the best possible recourse of action is prevention. It is for this reason that we must come together and support the efforts of these organizations that are coordinating efforts to collect these medical supplies to be sent to Cape Verde. Please if you can, no matter how small and insignificant you think your contribution may be, do lend a hand and bring what ever medical supplies you can to the drop sites listed in the Flier For Support Against Dengue in CV.

The hours of operation for the Brockton Adult Day Health Drop-off site is 8-4pm including Saturday and Sunday 9-2pm. For after hours drop-off call Sonia Alves (508) 930-7953.

Medical supplies will be shipped on Tuesday with support from TACV Airlines.

First Shipment of Medical Supplies Arrive in Cape Verde from Brockton, MA
 
Medical supplies have arrived safely in Cape Verde, according to Luisa Schaeffer. a social worker from Brockton Neighborhood Health Center (BNHC). Luisa Schaeffer said she got the call Saturday morning. She has been the point person at BNHC, which for its part has donated $1000.00 in supplies, which were included in the shipments sent last Friday night via the TACV flight. TACV donated the delivery service.

Luisa goes on to inform us that the pharmacy Eaton Apotecary, which has a shop inside BNHC, has ordered an increased number of the medical supplies in demand in Cape Verde and will have more supplies on hand on Monday, November 9. All persons interested in purchasing those items, which have become hard to find in local pharmacies and stores, are invited to go to Eaton Apotecary. According to Schaffer, the pharmacy will have the items at a lower price to help those interested in donating items to be sent to Cape Verde. BNHC is also accepting cash donations for those interested in providing financial assistance to the relief efforts. For further information Luisa Schaffer can be contacted at BNHC at (508) 894-3613 or at This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it

If you need further information, the contact information for those responsible has been provided in the Flier For Support Against Dengue in CV. If you need a ride or someone to pick up supplies at your location, I will personally coordinate my time to do so. You can reach me at This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it .

Flier_For_Support_Against_Dengue_in_CV.pdf (254.87 kb)

 
Cape Verde Declares National Emergency on Dengue. Epidemic Paralyzes Country Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

 
Read more...
11/05/09 - Tent set up in front of Praia Hospital to attend dengue patients. According to Liberal Online,
the Emergency Room halls have become an over-crowded infirmary (Photo: Liberal Online)
 
(Bloomberg News) -Cape Verde’s government declared a national emergency after at least three people died of dengue fever, A Semana Online reported, citing Prime Minister Jose Maria Neves. (...)
 
(Afrol News) - A first-ever outbreak of dengue fever in Cape Verde, already causing four deaths and infecting 9,000 persons, has caused panic on the archipelago. Tomorrow, everybody is urged to kill mosquitoes instead of going to work, and both the police and army are sent out to root out the disease.
Cape Verdean José Maria Neves has used the last two days to demonstrate his ability to act. The nation is gearing up to tomorrow's great national campaign of cleaning and eradication of the mosquito that carries the dengue virus. The entire population is asked to participate in the campaign, rather than going to work tomorrow.

But action is already in place. In the capital Praia, the worst struck municipality on the archipelago, a police force of 500 men and women and parts of the Cape Verdean army are on the streets to eradicate the dangerous mosquitoes.

PM Neves has also assured foreign help to root out the new epidemic. The World Health Organization already has shipped staff to Praia, helping to organise the fight against dengue fever. Further, Mr Neves today called on "friendly countries", in particular Portugal, Spain and Cuba, to send emergency aid, including hospital equipment and staff to treat the increasing numbers of infected.

The epidemic has indeed come as a bad surprise to the archipelago, where the tropical mosquito-borne disease never has been registered before. And it has spread as a bushfire. Registered infections are rising at a record rate of one thousand - a day. The latest numbers released in Praia are 8,799 infections. 851 out of them are from the capital.

Also, mortality rates are starting to be significant. Only two days ago, the first death attributed to dengue fever was registered. Today, the number is at four diseased.

The population has been shocked and traumatized by the sudden spread of this unknown disease. The epidemic comes at the same time as swine flue was starting to spread rapidly on the archipelago.

But Prime Minister Neves also was obliged to act forcefully for economic reasons. Already yesterday, the Cape Verdean government had no choice but issuing a warning to tourists to take extra precautions due to the outbreak. The Portuguese Foreign Ministry - representing one of Cape Verde's main tourist markets - has already issued a travel warning on Cape Verde.

For the archipelago, such a blow to the tourism industry could spell significant economic consequences. Tourism has developed into the backbone of Cape Verde's economic boom, and the archipelago was aiming at becoming "the new Canary Islands" off the West African coast. With the occurrence of tropical diseases, mass tourism however seems unrealistic.

With a preliminary anti-dengue budget of 40 million escudos (euro 360,000) the Neves government therefore aims at nothing less than the total eradication of dengue fever from the archipelago. For that to happen, massive campaigns to eradicate mosquitoes have to succeed. On the negative side, however, the disease was allowed to spread to almost all islands before being detected.

Dengue fever is the most common mosquito-borne viral disease of humans. In recent years it has become a major public health concern in the tropics. The geographical spread of both the mosquito and the virus has led to the global resurgence of epidemic dengue fever in the past 25 years, according to WHO. There is no known cure to the disease.
 
Dengue Hemorrágico Alastra Em Cabo Verde Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

(Ciberjunta) - A epidemia de dengue hemorrágico está a propagar-se em Cabo Verde e  já provocou a morte a quatro pessoas, segundo dados oficiais do Departamento de Vigilância Epidemiológica local.

Em apenas 35 dias, verificaram-se 6700 casos suspeitos, sendo que deste número resultam 22 registos de dengue hemorrágico - a variante mais perigosa da doença.

O primeiro óbito foi confirmado no início desta semana. Até esta quarta-feira, o número ascendeu a quatro, a um ritmo superior a um por dia. As vítimas têm idades compreendidas entre os 32 e os 43 anos.

Boavista, Sal e Santo Antão são as ilhas que, para já, permanecem fora do mapa de registos da doença, mas o rasto de dengue deverá estender-se a mais regiões cabo-verdianas e está longe do pico epidemiológico.
 
Delta Airlines Starts Flying to Cape Verde in The First Quarter of 2010 Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011



Read more...

PRAIA (Macau Hub) - US airline Delta Airlines is due to launch flights from Atlanta (Georgia) to Sal, Cape Verde, in the first quarter of 2010, said the US ambassador to Cape Verde, Marianne Myles.

The announcement was made during a meeting that brought together the Cape Verdean minister of Infrastructure and Transport, Manuel Inocêncio, and delegations of the Cape Verdean Civil Aviation Agency (AAC) and the Transportation Security Administration (TSA) of the United States, which recently positively assessed the Amílcar Cabral international airport.

The start of flight operations was scheduled for last September, but security delays made it impossible to launch Delta Airlines' flights to Sal, from where it will fly on to several West African capitals - Dakar (Senegal), Freetown (Liberia), Bamako (Mali) and to Lagos or Abuja (Nigeria).-

The link may also use Sal as a flight transfer point to Luanda (Angola), although this has yet to be defined, despite the fact it was considered in February this year.

At the meeting, the TSA and AAC also signed a memorandum of understanding to boost security operations between the United States and Cape Verde.

 
Gravidez Leva 10% das Jovens de Cabo Verde a Largar Estudo Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011

 

Read more...

PRAIA (Lusa) - Cerca de 10% das adolescentes de Cabo Verde, entre 15 e 17 anos, deixam a escola por causa da gravidez precoce, revela a socióloga cabo-verdiana Antónia Teixeira.

A socióloga considera que, com esse comportamento, os jovens cabo-verdianos estão mostrando, nessa fase de adolescência, uma curiosa contradição, pelo fato de estarem começando a ter relações sexuais cada vez mais cedo.

"Atualmente, a maternidade antecipada já é a principal causa de evasão escolar de meninas nesta faixa etária. A maioria vem de famílias mais carentes e com uma cultura enraizada e de difícil influência", destaca a socióloga, em declarações à agência de noticias cabo-verdiana Inforpress.

Após abordar vários alunos e professores de diferentes escolas da capital, chegou à conclusão que, apesar de conhecerem todos os mecanismos de precaução, as jovens deixam-se engravidar conscientes das consequências, havendo algumas que são claras, ao afirmarem que a virgindade "deixou de ser levada a sério".

"A primeira relação sexual surge por volta dos 14 anos e a virgindade é coisa do passado", defendem.

A esse respeito, explicou a socióloga, a gravidez está se tornando "um grande problema na educação", pois a realidade mostra que só existem dois caminhos: anular a matrícula e perder um ano escolar ou abandonar os estudos para cuidar da criança.

"Normalmente, as adolescentes jogam os filhos para os avós criarem e tentam trabalhar para sustentá-los. Muitas deixam a escola e nunca mais voltam. Esta atitude provoca uma geração de pais inexperientes e confusos, cujos filhos se podem transformar em adultos sem referências", adverte António Teixeira.

Entretanto, as escolas, cumprindo diretrizes do Ministério da Educação, negociam com todas as partes envolvidas a melhor forma de recompensar a jovem estudante de forma a não abandonar o sistema educativo.

O caso mais gritante é de uma aluna do primeiro ciclo, de 15 anos, em que a própria mãe veio a uma escola da Cidade da Praia, capital do país, solicitar anulação da matrícula porque a filha, grávida, já se tinha casado com um homem de 25 anos.

"Tratando-se de uma menor, a lei devia agir de outra forma e não permitir o casamento", afirma Antónia Teixeira, que considera que a gravidez na adolescência é um "fenômeno complexo", associado a fatores individuais, familiares, sociais, culturais e educacionais.

"Este fenômeno não se explica por uma única causa ou fator, mas por um conjunto de fatores que influenciam os contextos de vida dos jovens, cujos padrões e regras mudam nas transações que o indivíduo estabelece com o seu meio", conclui.
 

 
Cape Verde Imports 80 Percent of the Food it Consumes Print E-mail
Wednesday, 16 February 2011




PRAIA (Macau Hub) - Cape Verde imports 80 percent of the food it consumes, has just 10 percent of its land apt for agricultural production and its climate conditions are a permanent threat to agriculture, according to a United Nations (UN) study published Friday.

The document entitled, "Analysis of the Situation of the Food and Agriculture Sector in Relation to Price Rises in Cape Verde," was presented in Praia by the Food and Agriculture Organization (FAO) representative in Cape Verde.

Franz Van de Ven said that, despite it all, the measures taken by the government to slow the rise in prices of food products had been "quite positive."

Amongst the various FAO aid programs to the archipelago, Van de Ven noted the benefits to the most vulnerable families affected by the rise in prices of distribution of seeds, whilst also guaranteeing that the organization would continue to support the food safety program.

In his turn, the Cape Verdean Minister for the Environment, Rural Development and Marine Resources, José Maria Veiga, said that the government had taken measures to reduce the impact of the crisis on the population, particularly the most vulnerable from a food point of view.

Approval of the legislative measure that aims to reduce or exempt taxation on grains and some other goods related to animal feed, such as import duty and VAT and the rise in social pensions were some of the measures adopted, Veiga said.

 
«StartPrev11121314151617181920NextEnd»

Page 12 of 22
   

Advertise - About Us - Site Map - RSS

© 2005-2014 forcv.com - All rights reserved, USA.