PAICV desmente que Cabo Verde estava na lista de países não cooperativos

PAICV desmente que Cabo Verde estava na lista de países não cooperativos

by -

PRAIA, CV — As declarações do embaixador de Cabo Verde em Washington, Carlos Veiga, segundo as quais os Estados Unidos tinham colocado o arquipélago na lista de países “não cooperativos”, animou o debate no dia 25 de Janeiro no período antes da ordem do dia no Parlamento.

Segundo a TCV (Televisão de Cabo Verde), “depois de cerca de um ano de negociações”, Cabo Verde e os Estados Unidos da América assinaram esta terça-feira, 24, um “memorando de entendimento que regula a deportação de cidadãos entre os dois países”, um acordo, noticiou a televisão pública, “que afasta o arquipélago de qualquer sanção por parte do Governo do Donald Trump”.

“O leque de situações em que Cabo Verde não estava a cooperar, segundo opinião das autoridades americanas, foi aumentando e chegou a um patamar em que nos colocou, no fundo, nesta posição nada confortável de país não cooperativo”, afirmou Carlos Veiga aos microfones da TCV, para quem agora é “tentar regular a forma como se faz a deportação”.

De acordo com o representante de Cabo Verde em Washington, “há todo um período, a partir do momento em que se tem a ideia de que alguém foi sujeito a uma medida de deportação, que pode ser de advocacia do caso pelas nossas instituições, nomeadamente pelo nosso consulado”.

“Mas, a partir do momento em que há uma decisão final, é preciso ver como que se processa a deportação. Defendemos que não deveria ser em qualquer voo ou de qualquer maneira e que deveríamos ser avisados com alguma antecedência para tomarmos as disposições não só aqui (nos EUA), mas também lá em Cabo Verde”, indicou Carlos Veiga, citado pela TCV.

Veiga adiantou ainda que tratou com as autoridades norte-americanas sobre a questão de bilateralidade do documento, ou seja, não se pode falar apenas de deportação de cabo-verdianos, mas também ser o contrário.

Em declarações ao jornal Expresso das Ilhas desta quarta-feira, 24, Carlos Veiga revelou que o documento rubricado “estipula as obrigações de cada parte, nomeadamente os prazos para as autoridades americanas comunicarem às autoridades cabo-verdianas a extradição, e o prazo destas para emitir os documentos necessários”.

“Foram várias rondas negociais, nem sempre fáceis, com ambas as partes a defenderem os seus interesses. Ao fim de mais de um ano, o consenso foi atingido”, precisou Carlos Veiga ao semanário Expresso das Ilhas.

Por sua vez, o grupo parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), através do seu deputado Rui Semedo, congratulou-se com a assinatura do memorando e lembrou que o assunto consta “há muito tempo” da agenda política dos vários responsáveis cabo-verdianos, desde Presidentes da República, passando pelos governos e chegando aos diplomatas e à própria comunidade cabo-verdiana em diálogo com os responsáveis nos Estados Unidos.

“Para o PAICV, é uma novidade que Cabo Verde esteja na lista dos países não cooperativos com os Estado Unidos da América”, disse Rui Semedo, explicando que existe um “quadro de entendimento e cooperação com os serviços de emigração americanos”.

“Se fôssemos Estado não cooperativo, jamais haveria condições para se iniciar as condições, jamais teríamos concluído o processo em pouco mais de um ano, com documento sobre uma matéria tão como esta”, afiançou Rui Semedo.

Reagindo às afirmações do deputado do PAICV (oposição) Rui Semedo de que Cabo Verde nunca fez parte da lista de países não cooperativos, Paulo Veiga, eleito nas listas do MpD (poder) afirmou que o anterior executivo andou a “empurrar a situação” para não assumir a “responsabilidade de deportação e como que seria feita”.

“Este assunto passou demasiado tempo na Embaixada de Cabo Verde nos Estados Unidos,  com o conhecimento do Ministério do Negócios Estrangeiros de Cabo Verde,  e foi resolvido em menos de oito meses pelo Governo do MpD”, declarou Paulo Veiga.

Fonte: Inforpress

Tópico relacionado

Cabo Verde retirada da lista de Países Não Cooperativos depois de assinar acordo sobre deportação

Conversations

comments

NO COMMENTS

Leave a Reply